Quimioterapia

Quimioterapia é um tipo de tratamento sistêmico, que utiliza medicamentos que impedem a divisão celular, levando à destruição das células tumorais.
Os diversos quimioterápicos têm diferentes mecanismos de ação, permitindo sua classificação entre os seguintes principais grupos:

Incluem drogas como o etoposídeo, a doxorrubicina, o irinotecano e topotecano, que bloqueiam a ação de uma substância responsável pela manutenção da estrutura do DNA. Assim, causam a morte celular por dano ao material genético. São usados para o tratamento do câncer do cérebro, mama, cólon e sarcomas, assim como de neoplasias hematológicas.

São quimioterápicos que interferem com as estruturas responsáveis pela divisão do material genético, durante a divisão celular. Incluem grupos de drogas como os taxanos e os alcalóides da vinca. Os taxanos, como o paclitaxel e o docetaxel, têm sido usados no tratamento do câncer de cabeça e pescoço, pulmão, mama, estômago, ovário e próstata, entre outros. Os alcalóides da vinca, como a vincristina, a vimblastina e a vinorelbina, têm sido usados no tratamento dos cânceres de pulmão e mama, além dos linfomas.

São análogos estruturais de substâncias que formam o DNA. Assim, eles impedem a incorporação desses elementos ao DNA, bloqueando a duplicação do material genético e, conseqüentemente consequentemente, a divisão da célula. Incluem análogos de purina (fludarabina, mercaptopurina e cladribina) que são usados no tratamento de neoplasias hematológicas. Incluem também os análogos de pirimidina (gencitabina, citarabina e 5-fluorouracil), que são usados para o tratamento da maioria dos tumores sólidos e das neoplasias hematológicas. Finalmente, os anti-metabólitos incluem os análogos do ácido fólico (metotrexato, raltitrexede e pemetrexede), usados para o tratamento do câncer de pulmão, mama e cólon, além das neoplasias hematológicas.

São agentes que se ligam ao DNA, ou promovem a ligação de substâncias tóxicas ao DNA, levando à morte celular por dano ao material genético. Incluem o grupo de drogas formado pelas platinas (carboplatina, cisplatina e oxaliplatina). As platinas são usadas no tratamento da maioria das neoplasias malignas, incluindo cânceres de cabeça e pescoço, pulmão, trato gastrintestinal e aparelho ginecológico. Os agentes alquilantes incluem ainda muitos outros quimioterápicos como a ciclofosfamida, a ifosfamida e a temozolomida, usadas no tratamento de diversos tumores malignos, incluindo o câncer de mama, os tumores cerebrais, as leucemias e os linfomas.